domingo, 28 de dezembro de 2014

O mundo a preto e branco

Arrábida - Setúbal - Portugal
Clique na imagem para ampliar
Mesmo quando o mundo à nossa volta nos parece negro, há nele sempre algum toque de beleza.

quinta-feira, 13 de março de 2014

Embondeiro


EMBONDEIRO

Ali, só, fantasma insaciado,
eremita de pélagos distantes
ei-lo, gigante a procriar gigantes,
ei-lo apóstolo e dragão
das noites tenebrosas, agoirentes,
das noites pardacentas do sertão.
emoções,
fazem-me crer pedaços de montanhas
ali os vejo e... oh sensações estranhas,
secretas emoções,
fazem-me crer pedaços de montanhas
deixando interjeições!
Olimpico titã de ousadas fantasias,
vagabundo faminto, sobrio, só, 
erguendo os braços rudes e mirrados
em caminhos de pó,
lembram-me mais o grito de aflição
desta África adiada:
a fome a caminhar pelo sertão,oo
a trágica visão à beira-estrada!

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Num longo caminho

Jardim Botânico do Rio de Janeiro (clique na imagem para ampliar)
O Jardim Botânico, uma das mais belas e bem preservadas áreas verdes da cidade do Rio de Janeiro, e é um exemplo da diversidade da flora brasileira e estrangeira que vale a pena visitar.
Com a ameaça de invasão das tropas napoleônicas em Portugal, a família real portuguesa mudou-se par o Brasil  em 1808. Para garantir a defesa da cidade do Rio de Janeiro, D. João VI desapropriou o engenho de cana-de-açúcar da lagoa Rodrigo de Freitas para a construção de uma fábrica de pólvora.
A fábrica de pólvora funcionou até o ano de 1831, sendo transferida para Petrópolis. Junto com a construção da fábrica de pólvora, foi criado um jardim de aclimação para cultivar e adaptar plantas e especiarias do Oriente.
O jardim passou a ser chamado de Horto Real, onde foram aclimatadas várias espécies exóticas ao bioma brasileiro como a mangueira, jaqueira e o abacateiro, por exemplo, vindas as Ásia, América Central e México. A palmeira real, assim conhecida por ter sido plantada por D. João, tem o nome científico de “Roystonea Oleracea”, originária da América Central e Antilhas.
O Jardim Botânico passou a ser aberto à visitação em 1822, onde grandes nomes trabalharam como Frei Leandro, Serpa Brandão, João Barbosa Rodrigues, Pacheco Leão, entre outros. Com a chegada dos bondes na cidade do Rio de Janeiro, o acesso ao bairro do Jardim Botânico torna-se mais intenso a partir de 1871. O bairro passou a abrigar fábricas têxteis, de alimentos, fumo e bebidas; além de vilas operárias. Atualmente é um do principais pontos turísticos da cidade maravilhosa, situado numa das áreas mais valorizadas pelo mercado imobiliário.